domingo, 8 de novembro de 2009

Um amor de Oiapoque ao Chuí.

Leonardo, Rio Grande do Sul, Gravataí.
Ele me mandou esse poema hoje e fez meus olhos brilharem na frente de um monitor, aliás, sempre faz quando me enche de mimos e me faz rir. Não resisto a sua ternura, me enche de luz. Contamos segredos bizarros, fazemos piadas, fazemos planos... Ah, esses planos! Leo, agradeço por me cativar assim, desse jeito tão doce que me deixa hipnotizada. Você me ensinou que a distância é só um detalhe. E um dia a gente se encontra, certo? Porque eu te amo.
Baby, eu só queria te ver hoje, ver os seus olhos, sentir o calor intenso das suas mãos. (...)
Baby, eu queria ir nesse avião. (...) Baby, eu queria te beijar de novo, sentir seus lábios e o sabor da sua respiração. (...) Baby, eu queria ficar com você, para sempre ficar do seu lado, ser seu amor eterno sua paixão. Baby, eu só queria te dar a mão.
P.S.: Você é o melhor namorado. <3

1 comentários:

Capitão Jack Fallen disse...

Uau!!!!!!!!!!!!!
Belo Poema!!!!!

Postar um comentário